dafabet

Capa do Álbum: dafabet
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
dafabet

NOTÍCIAS SOBREtabagismo

Veja essas e outras notícias da dafabet

Placeholder - loading - Imagem da notícia Não há quantidade segura de cigarro

Não há quantidade segura de cigarro

As autoridades de saúde argumentam há muito tempo que não há uma quantidade segura de fumo. Mas, mesmo assim, muitas pessoas assumem um cigarro aqui, outro ali, não faz mal. Um novo estudo publicado no Lancet Respiratory Medicine descobriu que fumar apenas alguns cigarros por dia causa danos nos pulmões semelhantes a fumar mais do que um maço por dia.O estudo examinou os hábitos e a saúde de mais de 25 mil americanos fumantes entre 17 e 93 anos. No início, cada pessoa contou aos pesquisadores o quanto eles fumavam (além de informações gerais sobre sua saúde, demografia e estilo de vida) e fizeram um exame de espirometria, que avalia a função pulmonar medindo a quantidade de ar que pode ser expirado em um segundo, bem como a quantidade de ar que os pulmões podem liberar no total depois de respirar fundo. Os participantes foram rastreados por até 20 anos, período durante o qual fizeram pelo menos mais um teste de espirometria para avaliar alterações na saúde pulmonar.A função pulmonar diminui naturalmente com a idade, mas o tabagismo é conhecido por acelerar o processo, colocando os fumantes em risco de doença pulmonar obstrutiva crônica e outras condições respiratórias. E, como os pesquisadores demonstram no novo estudo, quase qualquer quantidade de fumo parece impulsionar esse efeito.Quando o estudo começou, cerca de 10 mil dos participantes do estudo nunca haviam fumado, enquanto 7 mil haviam parado de fumar; 5,8 mil haviam oscilado entre parar de fumar e fumar; e 2,5 mil fumavam. Com o tempo, os pesquisadores descobriram que tanto os ex-fumantes quanto os atuais tinham pior função pulmonar do que os nunca fumantes - e não havia uma enorme diferença entre os pulmões de pessoas que fumavam apenas cinco unidades de cigarro ou um maço inteiro por dia.Ter menos de cinco cigarros por dia foi associado a cerca de dois terços dos danos nos pulmões do que fumar 30 ou mais cigarros por dia, de acordo com o estudo. Em outras palavras, um fumante leve pode esperar perder quase tanto a função pulmonar em um ano quanto um fumante pesado em nove meses.A coautora do estudo, Elizabeth Oelsner, do Centro Médico Irving da Universidade da Columbia, diz que a descoberta deve dissuadir as pessoas de consumir qualquer quantidade de fumo - mas não deve desencorajar os fumantes atuais de reduzir o uso diário de cigarro. Fazer isso pode ser um passo importante para cessar completamente e pode trazer benefícios significativos para a saúde.O documento também reforça a opinião convencional de que é melhor acabar com o hábito o mais rápido possível. Oelsner diz, no entanto, que é possível que os riscos à saúde relacionados ao fumo nunca desapareçam completamente.Mas existem algumas ressalvas nas conclusões deste estudo. Por exemplo, ele se baseou em dados autorrelatados, que sempre vêm com a possibilidade de imprecisão. As pessoas no estudo também tiveram diferentes números de exames de espirometria ao longo dos anos. A magnitude dos efeitos do tabagismo na função pulmonar também diminuiu após o ajuste para fatores relevantes, como a presença de doença pulmonar e a exposição ao fumo passivo, mas as tendências gerais permaneceram as mesmas.No final, Oelsner diz que muitas pesquisas, incluindo a dela, apoiam a ideia de que a melhor quantidade de fumo é nenhuma. "As mensagens mais importantes são, de várias maneiras, as que já sabemos: fumar é extremamente ruim para a saúde dos pulmões e evitar o fumo é a melhor coisa que você pode fazer".As informações são da revista norte-americana LINK.

4A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Relatório sobre obesidade no Reino Unido

Relatório sobre obesidade no Reino Unido

A obesidade não é uma escolha e fazer as pessoas sentirem vergonha resulta apenas em se sentirem pior consigo mesmas, diz um relatório dos principais psicólogos do Reino Unido. O documento pede mudanças na linguagem para reduzir o estigma, como dizer "uma pessoa com obesidade" em vez de uma "pessoa obesa". E diz que os profissionais de saúde devem ser treinados para falar sobre perda de peso de uma maneira mais solidária.Os níveis de obesidade aumentaram 18% na Inglaterra entre 2005 e 2017 e em quantidades semelhantes na Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Isso significa que pouco mais de um em cada quatro adultos no Reino Unido é obeso, enquanto quase dois terços estão acima do peso.Mas esses aumentos não podem ser explicados por uma súbita perda de motivação em todo o Reino Unido - é muito mais complicado do que isso, de acordo com o relatório da British Psychological Society, que conclui que "não se deve simplesmente à falta de força de vontade de um indivíduo".Estresse e trauma"As pessoas com maior probabilidade de ter um peso não saudável são as que têm um alto risco genético de desenvolver obesidade e cujas vidas também são moldadas pelo trabalho, escola e ambientes sociais que promovem excessos e inatividade", diz o documento."As pessoas que vivem em áreas carentes geralmente experimentam altos níveis de estresse, incluindo grandes desafios e trauma na vida, geralmente seus bairros oferecem poucas oportunidades e incentivos para atividades físicas e opções para acessar alimentos saudáveis são limitadas".As experiências psicológicas também desempenham um papel importante, diz o relatório, com até metade dos adultos atendidos em serviços especializados em obesidade sofrendo dificuldades na infância.E o estresse causado pela vergonha da obesidade, muitas vezes causado por campanhas de saúde pública, médicos de família, enfermeiros e formuladores de políticas, geralmente leva ao aumento da alimentação e a mais ganho de peso.O comediante britânico James Corden falou recentemente sobre o assunto, dizendo: "Se tirar sarro de pessoas gordas as fez perder peso, não haveria crianças gordas nas escolas".Os psicólogos podem usar seus conhecimentos para ajudar a treinar profissionais da saúde a se comunicarem melhor sobre a obesidade, Angel Chater, autora do relatório e professora da Universidade de Bedfordshire."Se o tratamento para a obesidade fosse fácil, não estaríamos aqui e não teríamos escrito este relatório", diz ela.TabagismoO governo deve abordar o problema da obesidade da mesma maneira que o fumo, diz o relatório. O executivo-chefe da Sociedade Britânica de Psicologia, Sarb Bajwa, disse que agora é possível ver reduções significativas no nível de tabagismo e nos problemas de saúde que ele causa graças a campanhas contra o vício. "Os psicólogos têm a experiência científica e clínica para ajudar o serviço de saúde a fazer o mesmo com a obesidade."Podemos ajudar, não apenas criando maneiras de ajudar as pessoas, mas também aconselhando políticas públicas que ajudarão a criar um ambiente no qual as pessoas consigam manter um peso saudável mais facilmente".No entanto, os psicólogos não são a favor de que a obesidade seja classificada como uma "doença", porque isso poderia desviar o foco das mudanças comportamentais necessárias para mudar essa realidade.As informações são da LINK.

4A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Michigan, nos EUA, proíbe cigarro eletrônico

Michigan, nos EUA, proíbe cigarro eletrônico

Nesta semana, Michigan se tornou o primeiro estado dos EUA a proibir a venda de cigarros eletrônicos com vaporizadores de nicotina aromatizados. Alguns críticos vêm afirmando que estes produtos podem ser os principais responsáveis pela epidemia de cigarros eletrônicos por jovens."Como governador, minha prioridade número um é manter nossos filhos em segurança", disse a governadora Gretchen Whitme em comunicado nesta quarta-feira. “E agora, as empresas que vendem produtos vaping estão usando sabores de doces para prender as crianças com nicotina e alegações enganosas para promover a crença de que esses produtos são seguros. Isso acaba hoje”, finalizou.Uma pesquisa mostra que estes produtos com sabor são mais atraentes para os mais jovens do que para os adultos – o vaping é um hábito que cerca de um quinto dos EUA estudantes do ensino médio relataram no ano passado. Em março, a Food and Drug Administration propôs a proibição de venda de produtos aromatizados em lojas de varejo sem restrição de idade.A decisão também proíbe a publicidade que usa termos como 'limpo', 'seguro' e 'saudável', que perpetuam a crença de que esses produtos são inofensivos, de acordo com um comunicado do escritório de Whitmer.O quão prejudicial ou inofensivo é o cigarro eletrônico é uma fonte de grande debate na comunidade médica. Como aquecem a nicotina líquida, em vez de queimar tabaco, os cigarros eletrônicos produzem menos produtos químicos e subprodutos que causam câncer do que os cigarros tradicionais. Isso pode torná-los uma alternativa melhor que os cigarros - mas a maioria dos médicos concorda que eles não são totalmente seguros. Pesquisas preliminares sugerem que eles podem aumentar o risco de doenças cardíacas e pulmonares, e as autoridades federais de saúde estão atualmente investigando mais de 200 doenças respiratórias aparentemente associadas ao vaping.A proibição de emergência de Michigan deve entrar em vigor nos próximos 30 dias e durará seis meses antes de ser potencialmente renovada por mais seis meses, relata o Washington Post. Para entender melhor toda a polêmica que gira em torno do cigarro eletrônico, a dafabet já abordou o tema aqui.

4A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Cigarros eletrônicos têm causado problemas de saúde

Cigarros eletrônicos têm causado problemas de saúde

Nos Estados Unidos, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças investiga um número crescente de casos de doenças pulmonares graves que podem estar relacionados a vaporização do cigarro eletrônico. Desde o final de junho, de acordo com o CDC, 94 pessoas em 14 estados do país tiveram doenças pulmonares graves que podem estar ligadas ao uso de cigarros eletrônicos. Estes produtos aquecem substâncias, como nicotina, por exemplo, para criar aerossóis inaláveis pelos usuários. A contagem de casos cresceu o suficiente para levar o CDC a trabalhar com os departamentos de saúde para saber mais sobre o que poderia estar causando as condições preocupantes, que afetam principalmente os adolescentes.Embora "mais informações sejam necessárias para determinar o que está causando as doenças", de acordo com o órgão, o cigarro eletrônico aparece entre uma das possíveis causas entre os estados envolvidos na investigação, incluindo Illinois, Califórnia, Indiana, Minnesota e Wisconsin, onde quase um terço casos relatados se originaram. Autoridades de saúde do estado de Wisconsin dizem que pacientes pediátricos e adultos estão exibindo sintomas como falta de ar, fadiga, dor no peito, tosse e perda de peso. Muitos deles relataram o uso de cigarros eletrônicos nas semanas ou meses antes da hospitalização. Não está claro quais produtos de cigarros eletrônicos eles usaram, e eles podem ter consumido substâncias, incluindo nicotina, THC e /ou canabinóides sintéticos, de acordo com autoridades de saúde.Alternativa ao cigarro convencional
O cigarro eletrônico é pensado para ser uma alternativa mais saudável a longo prazo do que fumar os tradicionais cigarros. Isso porque o produto oferece menos substâncias químicas causadoras de câncer. Mas como o uso de cigarros eletrônicos se tornou mais popular, vários efeitos colaterais aparentes foram relatados. Estudos preliminares mostraram ligações entre o uso de cigarros eletrônicos e danos vasculares, respiratórios e celulares, e órgãos norte-americanos estão investigando problemas raros de saúde potencialmente associados a vaporização. São eles: convulsões, lesões resultantes de dispositivos explosivos e, agora, doenças pulmonares. Alguns adolescentes também se tornaram viciados em nicotina por causa do produto, levantando preocupações entre as autoridades de saúde pública.Não está totalmente claro, no entanto, como ou se os cigarros eletrônicos estão causando muitos desses problemas de saúde. Mas o envenenamento por nicotina pode ocorrer quando as pessoas, especialmente as crianças, ingerem nicotina líquida ou a absorvem através da pele, de acordo com a Academia Americana de Pediatria. Em 2018, por exemplo, a Food and Drug Administration (FDA) advertiu que os produtos de uma empresa chinesa de cigarros eletrônicos continham medicamentos não aprovados destinados à disfunção erétil, o que poderia ser perigoso para certos usuários.A dafabet traz um compilado de notícias relacionadas ao tema que você confere aqui. Para ler mais notícias, curta a página dafabet News no Facebook!

4A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Os riscos de ser fumante passivo

Os riscos de ser fumante passivo

A Lei Antifumo completa 10 anos em São Paulo neste mês. E a lei tem sido cumprida com sucesso: desde 2009, mais de 2 milhões de inspeções foram realizadas, 4 mil autuações pelas equipes da Vigilância Sanitária do Estado e quase 99,7% dos estabelecimentos cumpriram a lei.Ela proíbe o consumo de cigarros, cigarrilhas, charutos, cachimbos e outros produtos que produzam fumaça dentro de locais total ou parcialmente fechados. Em caso de descumprimento da lei, o valor é de R$ 1.253,50, dobrando em caso de reincidência. Se isso se repetir pela terceira vez, o estabelecimento é interditado por 48 horas. Na quarta, o fechamento é por 30 dias.Tabagismo passivo e seus riscosA Lei Antifumo, além de desincentivar a tabagismo, também protege aqueles que acabam fumando de forma passiva. Isso acontece quando pessoas não fumantes convivem com fumantes em ambientes fechados, respirando substâncias tóxicas, seja do cigarro, charuto, cigarrilhas, cachimbo, narguilé e outros.Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a fumaça do cigarro é uma mistura de quase 5 mil substâncias tóxicas, em duas fases fundamentais: a particulada e a gasosa. A fase gasosa é composta, entre outros, por monóxido de carbono, amônia, cetonas, formaldeído, acetaldeído, acroleína. A fase particulada contém nicotina e alcatrão.O alcatrão é composto por substâncias comprovadamente cancerígenas. O monóxido de carbono tem afinidade com a hemoglobina presente nos glóbulos vermelhos do sangue, que transportam o oxigênio. Por isso, essa ligação forma um composto que dificulta a oxigenação, podendo causar doenças como a aterosclerose.Já a nicotina é considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) uma droga psicoativa que causa dependência, agindo no cérebro de forma parecida com a cocaína. É por essa razão que o tabagismo é classificado como doença e está inserido no Código Internacional de Doenças (CID-10) no grupo de transtornos mentais e de comportamento devido ao uso de substância psicoativa. E não para por aí: a nicotina também aumenta a liberação de catecolaminas, causando vasoconstricção, acelerando a frequência cardíaca, causando hipertensão arterial e provocando adesividade plaquetária. Além disso, a nicotina junto com o monóxido de carbono provoca diversas doenças cardiovasculares, estimula no aparelho gastrointestinal a produção de ácido clorídrico, o que pode causar úlcera gástrica e desencadeia a liberação de substâncias quimiotáxicas no pulmão, que estimulará um processo que irá destruir a elastina, provocando o enfisema pulmonar.A fumaça que sai da ponta do cigarro e se difunde homogeneamente no ambiente contém cerca de três vezes mais nicotina, três vezes mais monóxido de carbono e até 50 vezes mais substâncias cancerígenas do que a fumaça que o fumante inala. A exposição involuntária à fumaça é capaz de causar desde reações alérgicas como rinite, tosse, conjuntivite, exacerbação de asma, em curto período, até infarto agudo do miocárdio, câncer do pulmão e doença pulmonar obstrutiva crônica (enfisema pulmonar e bronquite crônica) em adultos expostos por longos períodos. Em crianças, aumenta o número de infecções respiratórias.Por isso, a Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco recomenda que os países elaborem, adotem e apliquem leis que garantam ambientes fechados 100% livres de fumo.Para ler mais notícias, curta a página dafabet News no Facebook!

4A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Brasil é exemplo na luta contra o tabagismo

Brasil é exemplo na luta contra o tabagismo

Uma boa notícia: na última década, o Brasil reduziu em 40% o número de fumantes. Com isso, nos tornamos o segundo país do mundo a cumprir as medidas indicadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para a redução do tabagismo.Dos 171 países que aderiram às medidas globais da OMS, apenas o Brasil e a Turquia implementaram as ações com sucesso e servem de exemplo para o resto do mundo.Dados do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) revelam que, em 2018, 9,3% dos brasileiros afirmaram ter o hábito de fumar. Em 2006, ano da primeira edição da pesquisa, esse percentual era de 15,7%. Isso significa uma redução de 40%.Segundo dados da pesquisa, as mulheres assumem um papel muito importante nesse cenário, reduzindo 44% o hábito de fumar no período analisado.Ações contra o tabagismoA redução do consumo é resultado direto das ações implementadas no país, segundo a OMS. Por aqui, o tratamento do tabagismo é oferecido em mais de quatro mil unidades de saúde do SUS. Além disso, a população conta com o Disque Saúde 136, serviço telefônico nacional para tirar dúvidas sobre o assunto, cujo número está estampado no rótulo frontal de todos os maços de cigarro.E vale ressaltar que não é apensas quem fuma que sofre com os efeitos do cigarro. Por isso, a legislação antifumo tem sido aperfeiçoada ao longo dos anos para proteger a população contra a fumaça do tabaco. Essa medida levou o Brasil a se tornar o primeiro país com uma população acima de 100 milhões totalmente livre de fumo.Cabe ainda uma atenção especial à Lei 12.546/2011, que, além de proibir o ato de fumar em locais fechados, públicos e privados, impediu, a possibilidade da existência de fumódromos.As advertências sobre os riscos do cigarro também foram se intensificando e ficando mais duras. Uma lei federal determinou a inclusão das imagens de alerta em 30% da parte frontal da embalagem e em 100% da parte de trás.No ano 2000, a legislação começou a se enrijecer quanto a publicidade do tabaco, sendo ela proibida nos meios de comunicação de massa no mesmo ano. O patrocínio de marcas de cigarro foi vetado em eventos culturais e esportivos.RiscosO tabagismo tem relação com aproximadamente 50 enfermidades. Dentre elas, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), vários tipos de câncer (pulmão, laringe, faringe, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, rim, bexiga, colo de útero, leucemia), doenças do aparelho respiratório (enfisema pulmonar, bronquite crônica, asma, infecções respiratórias) e doenças cardiovasculares (angina, infarto agudo do miocárdio, hipertensão arterial, aneurismas, acidente vascular cerebral, tromboses). Há ainda outras doenças relacionadas ao tabagismo: úlcera do aparelho digestivo; osteoporose; catarata; impotência sexual no homem; infertilidade na mulher; menopausa precoce e complicações na gravidez. O tabagismo é a principal causa de câncer de pulmão, sendo responsável por mais de dois terços das mortes por essa doença no mundo.AlternativasUma das principais alternativas ao cigarro tradicional são os modelos eletrônicos. Muita polêmica envolve este assunto e vários estudos se contradizem na hora de comprovar se a opção é mesmo eficaz.Mas na última sexta-feira, a Organização Mundial da Saúde desconsiderou o uso dos vaporizadores aos fumantes que tentam abandonar o hábito de fumar. Segundo a OMS, “os cigarros eletrônicos são, indubitavelmente, prejudiciais” e deveriam ser regulados.A popularidade desse tipo de produto, que permite a inalação de nicotina e aromatizantes, colocou em alerta legisladores do mundo todo. O maior receio é que ele se torne uma porta de entrada para outros vícios para os jovens.Os cigarros eletrônicos de fato expõem o consumidor a uma quantidade menor de toxinas em comparação ao tabaco, mas também apresentam risco para a saúde, alertam os especialistas da OMS. “Embora os níveis específicos de risco associados aos SEAN (Sistemas Eletrônicos de Administração de Nicotina) não tenham sido estimados de forma conclusiva, os SEAN são, indubitavelmente, prejudiciais e deveriam, portanto, estar sujeitos à regulação”.Saiba mais sobre os cigarros eletrônicos aqui e curta a nossa página dafabet News no Facebook!

4A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Cigarros eletrônicos podem ser de fato eficazes

Cigarros eletrônicos podem ser de fato eficazes

Os cigarros eletrônicos têm sido lançados como uma alternativa mais saudável em comparação aos cigarros tradicionais. Isso poderia ajudar os fumantes a abandonar o hábito, fornecendo nicotina sem muitos dos subprodutos perigosos de produtos de tabaco combustível.Há, no entanto, muitas opiniões divergentes sobre a tecnologia na comunidade científica. Para cada estudo que sugere que os cigarros eletrônicos podem ajudar os fumantes a parar, há outro que diz o contrário. Agora, um dos estudos mais abrangentes ainda fornece suporte sólido para vaping diário. Descobriu-se que os fumantes de cigarros que também usavam os cigarros eletrônicos todos os dias tinham 77% mais chances de parar de fumar – e de fato o fizeram depois de dois anos.O artigo, publicado na revista Nicotine & Tobacco Research, usou dados de cerca de 8.200 adultos que participaram do Estudo de Avaliação da População do Tabaco e do Estudo de Saúde nos Estados Unidos. Cada pessoa forneceu informações sobre sua saúde, estilo de vida e uso de tabaco, e depois atualizou pesquisadores sobre seu consumo de tabaco nos anos seguintes.No início do estudo, apenas 3,6% dos fumantes relataram uso diário de cigarros eletrônicos, enquanto 18% relataram uso mais esporádico. Mas as pessoas nesse pequeno grupo de vapers diários (aqueles que utilizavam o cigarro eletrônico diariamente) descobriram os pesquisadores, estavam mais propensas do que os usuários periódicos de cigarros eletrônicos ou não-vapers a relatar a abstenção de cigarros tradicionais até o final do estudo. 11% dos vapers diários relataram estar sem cigarros durante as duas pesquisas de acompanhamento.Estudos anteriores que não encontraram uma conexão entre vaping e cessação do tabagismo podem não ter explicado as diferenças no uso diário versus periódico, teorizam os autores.Alguns especialistas em saúde pública também temem que um hábito continuado de nicotina, na forma de vaporização, aumente as chances de recaída de um ex-fumante. Um estudo publicado no início deste mês descobriu que isso é verdade. Mas no novo estudo, os vapers diários eram apenas ligeiramente mais propensos do que os não-usuários a voltar ao tabagismo. Os cigarros eletrônicos contêm menos substâncias químicas causadoras de câncer conhecidos que os cigarros tradicionais, mas não são isentos de riscos. Um corpo de pesquisas que se acumula sugere que eles podem causar problemas cardíacos e respiratórios, e esses riscos podem aumentar quando usados ??em conjunto com cigarros - uma perspectiva preocupante, já que, como mostra o novo estudo, muitos fumantes usam os dois produtos. No entanto, a pesquisa mais recente oferece algumas das evidências mais fortes ainda de que os cigarros eletrônicos podem desempenhar um papel importante na redução adicional das taxas de tabagismo nos EUA.Cada vez mais estão sendo implementados esforços para diminuir o número de fumantes. Por aqui, por exemplo, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) já endureceu as mensagens trazidas atrás dos maços de cigarro. Na Inglaterra, a meta é tornar-se livre do tabagismo até 2030 por meio de um conjunto de proposta, que fazem parte do que eles chamam de green paper. Para ler mais notícias, curta a página dafabet News no Facebook!

4A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Tratamento contra tabagismo vale a pena

Tratamento contra tabagismo vale a pena

Em 20 anos, o Brasil diminuiu pela metade o percentual de fumantes. Hoje, são 18 milhões no país. O número ainda é alto, mas existe um tratamento bastante eficaz para tratar este vício.O tratamento é feito com remédios, dura três meses e pode sair mais barato que o dinheiro gasto com cigarros em poucos meses. “O tratamento não é caro. Caro é fumar. Três meses de tratamento custam no total de mil reais, em média”, afirma a cardiologista Jaqueline Issa, diretora do programa de tratamento do tabagismo Incor, em São Paulo.São três meses de tratamento com remédios contra o tabagismo e seis meses, caso seja necessário, com outros remédios para tratar quadros de depressão ou ansiedade. "Em algumas situações, o paciente pode precisar manter a medicação por um prazo maior, mas é uma minoria", diz a médica.Segundo Jaqueline, nos três primeiros meses, as chances de recaída são de 70 por cento – por isso é necessário o uso do remédio. "É uma garantia de que o paciente vai passar bem o período crítico, sem sintomas. Depois, do 3º ao 6º mês, as chances de recaída caem para 20%. Do 6º mês até 1 ano, caem para 10%", conta. Nesses casos, as recaídas acontecem por causas pontuais, como situação de estresse ou algum descuido.Completado um ano, as chances de voltar a fumar são muito pequenas. Tão pequenas que, de cada 10 pessoas que se tratam, 6 ou 6 nunca mais voltam a fumar. "O benefício em termos de qualidade de vida é muito rápido. Quando você para de fumar, 48 a 72 horas depois, você já eliminou tua nicotina. Isso normaliza a pressão arterial e diminui a frequência cardíaca", diz a cardiologista.E não são só os mais velhos que procuram tratamento: fumantes mais jovens, de 35 a 40 anos, por exemplo, também. E para esses, os benefícios são ainda maiores. "Quanto antes você parar de fumar, mais chances você tem de passar uma borracha nos anos que você fumou." Isso não significa, entretanto, que largar o cigarro mais tarde não traz benefícios. "Se não deu para parar precocemente, não importa. Mesmo em idade mais avançada, existe a qualidade de vida", conclui a médica.Para ler mais notícias, curta a página dafabet News no Facebook!

6A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Fumar enfraquece gene que protege artérias

Fumar enfraquece gene que protege artérias

Que fumar aumenta as chances de obstrução arterial todos sabem. Mas cientistas americanos alertam que isso acontece porque o tabagismo debilita um gene que protege estes importantes vasos sanguíneos. “Este foi um dos primeiros grandes passos rumo à resolução do complexo quebra-cabeça das interações genético-ambientais que levam a doenças coronarianas”, disse o autor do estudo, Danish Saleheen, professor assistente de bioestatística e epidemiologia da Perelm School of Medicine, da Universidade da Pensilvânia.Os especialistas agruparam dados genéticos de mais de 140 mil pessoas, que já tinham sido administrados em mais de duas dezenas de estudos anteriores, com foco particular em regiões do genoma associadas com alto risco de acúmulo de placa nas artérias cardíacas.“Uma mudança em uma única ‘letra’ do DNA no cromossomo 15, perto do gene que expõe uma enzima (ADAMTS7) produzida nos vasos sanguíneos, foi associada com 12 por cento de redução do risco em não fumantes”, destacou em nota.“No entanto, os fumantes com a mesma variação tiveram apenas 5% menos risco de doenças coronarianas, reduzindo em mais da metade o efeito protetor desta variação genética”, indicou-se.Estudos mostraram que nas células que recobrem as artérias do coração humano, a produção da enzima ADAMTS7 diminuiu significativamente quando as células continham esta variante do DNA de uma única letra.Para ler mais notícias, curta a página dafabet News no Facebook!

6A

Fique por dentro

de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio dafabet, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

  1. Home
  2. noticias
  3. tags
  4. tabagismo

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.

dafabet Mapa do site